As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.

Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

É a Personale, de mãos dadas com a saúde física, informando você! 

© 2015 | Personale Premium Fitness - Um novo conceito em academia.

Musculação: por que usamos repetições nos treinamentos?

A faculdade de educação física pode ser algo muito bom ou simplesmente um processo legal para obtenção de um diploma que lhe autoriza a ministrar aulas. Nem vou comentar sobre os que nem por ela passaram e acreditam serem possuidores de conhecimento suficiente para ministrar aulas/treinamentos. Você pode não gostar disso, mas a verdade é que a teoria precisa existir para fazer a pratica da melhor forma.

Prescrever exercícios, séries e repetições, é mais que apenas saber o que é um supino reto e qual músculo ele trabalha de forma direta (agonista), indireta (sinergistas) e quais são seus opositores (antagonistas). Mas nem vamos entrar em méritos de bioenergética ou fatores fisiológicos e bioquímicos. Vamos focar em algo mais pratico!


Eu sempre me perguntava por qual motivo às prescrições são feitas em pares na maioria das vezes. Já pensou sobre isso? Por qual motivo prescrevemos 6 – 8 – 10 – 12 repetições?


Isso tem um motivo, tempo de tensão. Logo mais voltamos para essa questão.


Quando um aluno novo entra na academia geralmente se ensina a execução do exercício, quantas séries ele vai fazer e de quantas repetições estamos propondo para ele. Pois é, quase tudo certo até agora. A não ser por muitos não se lembrarem de explicar o tempo que querem que o sujeito realize a tarefa de executar as repetições. Isso se chama tempo de tensão. Se pensarmos em contração muscular, em um exercício dinâmico, em cada repetição, vamos ter uma ação concêntrica e outra excêntrica, correto? Para cada uma dessas fases existe um tempo para executar.


Geralmente, se não dizemos nada para as pessoas, elas naturalmente, vão realizar a atividade em 1 segundo para concêntrica e 1 segundo para excêntrica. Mas isso pode mudar de pessoa para pessoa. Mas vamos fazer o uso do raciocínio. Imagina só uma pessoa que faz a concêntrica em uma velocidade e a excêntrica em outra, vamos ter uma adaptação, se fizermos as duas na mesma cadência isso muda a adaptação. Lembra da pergunta: “ por qual motivo prescrevemos com números pares”? Agora você deve estar começando a entender o motivo disso.


Uma prescrição de 1 para 1 – em uma série de 8 repetições = a 16 segundo de tensão aproximadamente. Uma prescrição de 2 para 1 – em uma série de 8 repetições, igual numericamente, já são 24 segundos de tensão com ênfase na fase concêntrica.


Deu-se conta da importância de explicar a cadência?
Tudo se resume em tempo de tensão que vai aumentar o tempo de oclusão vascular. Uma série com mais tempo de tensão provoca maior concentração de metabólitos e por consequência maior estimulação de vias anabólicas.


Quando usamos um método de treinamento como drop set, super série, biset – triset- pirâmide… estamos alternando o tempo de oclusão e gerando alternâncias de estímulos hipertróficos. Então, seja um treinador mais atento e “inovador” trabalhe com a periodização do tempo de tensão. Nem sempre 8 são 8 – em termos de tensão/oclusão, podemos estar falando de 16 – 24 ou até 32 segundo de tempo de tensão sem mudar o número de repetições.


(Fonte: o Prof. André Lopes é Phd em Ciências do Movimento Humano, fundador do Pro Fit Box e Expert do Portal da Educação Física).

Por: educacaofisica.com.br

Please reload

Em destaque

A importância da avaliação postural

10 Feb 2017

1/3
Please reload

Postagens recentes
Please reload

Publicações
Please reload

Siga a Personale
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square